Pages Menu
RssFacebook
Categories Menu

Publicado em 19 de Abril de 2016 às 19:06 em Noticias | 0 comentários

O Hipertiroidismo

O que é?

Existe Hipertiroidismo quando a glândula tiroide produz hormonas em quantidades excessivas, levando a um “aceleramento” do organismo. Esta situação deve ser rapidamente tratada pois pode causar “exaustão” em alguns dos órgãos, nomeadamente o coração.

 

Quais são os sinais e sintomas?

Geralmente o quadro não passa despercebido, uma vez que é habitual estar presente um bócio (aumento de volume da tiroide) que se pode acompanhar de:

  • Palpitações, aumento da fadiga cardíaca (mais de 100 batimentos por minuto);
  • Nervosismo, irritabilidade, ansiedade, variações frequentes de humor; insónia;
  • Tremor fino das mãos;
  • Perda de peso apesar de apetite aumentado;
  • Hipersudorese e intolerância ao calor;
  • Queda de cabelo, pele fina, alterações das unhas;
  • Diarreia;
  • Diminuição do fluxo menstrual e irregularidades menstruais;
  • Fraqueza muscular no ombros, braços ou coxas;
  • Olhar vivo, fixo e/ou olhos proeminentes, visão dupla (na Doença de Graves).

 

Como é diagnosticado?

Quando há uma suspeita clínica pode ser realizada uma análise ao sangue, que avalia as quantidades da TSH – a hormona da hipófise que estimula a tiroide e que no hipertiroidismo está diminuída – e da T3 e T4 – hormonas da tiroide que no hipertiroidismo circulam em excesso no sangue.

 

Quais os tratamentos para o Hipertiroidismo?

Os tratamentos podem ser divididos em quatro tipos, mas este deverá ser selecionado pelo médico que acompanha cada caso. Em todos existem riscos e benefícios, que devem ser explicados aos doentes. Independentemente do tipo de tratamento, o seu objetivo é terminar com a produção excessiva de hormonas da tiroide e “equilibrar” o funcionamento do organismo.

 

Quais são as causas do hipertiroidismo?

  • Doença de Graves – é uma alteração autoimune, causada por anticorpos estimuladores da tiroide. Há geralmente um aumento do volume da tiroide (bócio), hipertiroidismo e, por vezes, edema dos tecidos periorbitários que podem causar saliência dos globos oculares e alterações da visão. É mais frequente nas mulheres que nos homens e pode ter uma associação familiar.
  • Nódulo tóxico – quando a tiroide apresenta um único nódulo que produz mais hormonas que o necessário para o funcionamento normal do organismo.
  • Bócio multinodular tóxico – a tiroide apresenta-se mais volumosa (bócio) com vários nódulos que produzem excesso de hormonas e provocam hipertiroidismo. Geralmente aparece em pessoas mais velhas, já com historial de bócio com nódulos.
  • Tiroidite Subaguda – após uma infecção vírica, a tiroide torna-se mais volumosa e dolorosa e liberta para o sangue uma grande quantidade de hormonas armazenadas. Não há um verdadeiro aumento de produção hormonal e, portanto, o hipertiroidismo é autolimitado.
  • Excesso de hormona tiroideia – os doentes que fazem tratamento com hormona tiroideia (levotiroxina) podem desenvolver hipertiroidismo se a dose desta se tornar excessiva. Por isto, a função tiroideia deve ser periodicamente vigiada por um médico e a dose de levotiroxina ajustada.
  • Ingestão excessiva de iodo – algumas medicações (ex. solução de lugal, amiodarona, contrastes de RX,…) contêm Iodo numa concentração muito superior àquela necessária. Em certas situações, este excesso de iodo pode ser utilizado pela tiroide e causar um hipertiroidismo.

Publicar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *