Pages Menu
Categories Menu

Publicado em 29 de Maio de 2020 às 19:13 em Noticias | 0 comentários

Mãe e bebé ligados pela tireoide desde o início

Mãe e bebé ligados pela tireoide desde o início

A tireoide, sendo um órgão importante para o metabolismo ao longo de toda a vida, tem especial relevância na saúde e bem estar durante a gravidez e nos primeiros anos do desenvolvimento da criança.

A tireoide exerce a sua função no organismo através de hormonas (T3 e T4) que são distribuídos a todas as nossas células pela corrente sanguínea. Para a produção destas hormonas, as células da tireoide necessitam de um elemento muito importante, o iodo. É por isso importante que durante a gravidez e amamentação as mães obtenham a quantidade necessária de iodo para produzir a quantidade de hormona necessária para si e para o seu filho. Sim, porque neste período o bebé depende da mãe para o suprimento de hormona tireoideia.

As hormonas da tireoide controlam o funcionamento de muitos genes nas nossas células, sendo por isso fundamentais para o normal crescimento e desenvolvimento dos vários órgãos. O efeito das hormonas tireoideias ocorre logo no período embrionário, mas é também fundamental na maturação de alguns órgãos já depois do nascimento.

Por vezes, situações raras felizmente, os bebés nascem sem capacidade de produzir ou utilizar as hormonas da tireoide. Essa situação pode resultar em graves perturbações no desenvolvimento físico e mental e deve ser diagnosticada muito precocemente, de forma a ser corrigida atempadamente. Esta é uma das razões por que é tão importante o “teste do pezinho” (Teste de Guthrie), pois uma das situações que é diagnosticada é precisamente a falta de hormona tireoideia.

Mas como tudo na vida, devemos ter atenção á conta e medida. Se uma deficiência de iodo e de hormona tireoideia pode resultar em alteração do metabolismo dos nossos órgãos, e ter consequências no desenvolvimento do bebé, também uma ingestão exagerada pode ter consequências indesejadas. Por isso atenção ao uso de suplementos nutricionais sem aconselhamento médico.

Um artigo da Profª. Paula Soares, Faculdade de Medicina UP / IPATIMUP e membro do conselho Consultivo/Científico da ADTI.

Publicar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

1 × 3 =

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.