Pages Menu
RssFacebook
Categories Menu

Publicado em 23 de Maio de 2017 às 12:25 em Cancro Noticias | 0 comentários

O cancro da tiroide nas crianças

O cancro da tiroide nas crianças

A palavra cancro pode ser assustadora, principalmente quando se fala de crianças, mas o cancro da tiroide nas crianças se for corretamente tratado não tem de ser tão assustador como os outros tipos de cancro.

Os médicos que tratam o cancro da tiroide chamam-se endocrinologistas e cirurgiões e são diferentes daqueles que costumam tratar os cancros nas pessoas. E o tratamento que aplicam também é diferente!

Como é que se deteta o cancro da tiroide?

Na maioria dos casos, quando existe cancro da tiroide nas crianças, é visível um inchaço no pescoço. Este pode ser na zona da glândula tiroide, que se situa na base do pescoço imediatamente abaixo da “maça de Adão”, ou então num outro gânglio linfático do pescoço.

É importante reforçar que nas crianças os inchaços no pescoço surgem com frequência, devido a infeções nos ouvidos ou dores de garganta e na maioria dos casos não representam motivo de preocupação. No entanto, se um inchaço não passar com o tempo, se for grande, se for acompanhado de uma rouquidão invulgar e constante, então deve ser avaliado pelo médico de família ou pediatra.

Para se determinar se um inchaço poderá ser um cancro da tiroide é normal que se comece por realizar um ultrassom do pescoço e este deve ser feito por alguém com muita experiência.

As saliências no pescoço ou nódulos benignos são muito frequentes nos adultos, com idades entre os 50 e 60 anos, mas não em crianças. Por essa razão, quando é detetado um nódulo na tiroide de uma criança, convém realizar-se mais exames, como uma biopsia, em que o médico introduz uma agulha fina para retirar uma amostra das células do nódulo suspeito. Embora um adolescente consiga fazer este procedimento sem anestesia, o mesmo já não acontece com uma criança mais pequena.

No caso de ser detetado cancro da tiroide nas crianças é normal que se tenha de recorrer a cirurgia para remover a glândula tiroideia. Por ser uma intervenção numa área muito delicada, deve-se trabalhar com um médico experiente neste tipo de cirurgias.

Já sem a tiroide, algumas crianças podem ter de fazer terapia adicional, como iodo radioativo. O comum a todas as crianças é terem de fazer, para o resto da vida, um tratamento igual ao das pessoas com hipotiroidismo, que têm de compensar a baixa produção de hormonas tiroideias, tomando hormonas de substituição.

Follow-up

É normal que a criança continue a ser seguida por um endocrinologista através de consultas regulares, nas quais lhe é feita a palpação do pescoço e lhe são pedidas análises de sangue e exames de imagem.

 

Fonte: mayoclinic.org

Publicar comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *